Venture Debt: a opção mais rápida para acelerar sua startup


A recente publicação do Distrito Dataminer, “Inside Venture Capital Report”, destaque no Valor, em 4 de junho, revelou os impressionantes números das startups brasileiras:


• US$ 2,35 bilhões captados entre janeiro e abril de 2021


• 77 operações de M&A


Ainda sobre startups, o Valor destacou a publicação 100 Startups to Watch, do Pequenas Empresas Grandes Negócios, resultado de uma avaliação técnica de mais de 2.500 startups inscritas e um funil de 27 jurados do setor.


Se a sua empresa está em busca do capital para acelerar, vivemos mais um excelente momento para atrair o investidor. Há capital disponível, apetite ao risco e busca por novos modelos de negócio, conforme artigo do Francisco.


Gilberto falou sobre Venture Capital e Ruy apresentou o step by step para lançar sua startup. Eu farei alguns comentários sobre Venture Debt, opção mais rápida para acessar o recurso necessário para lançar ou acelerar seu negócio.

O que é Venture Debt?


O Venture Debt não envolve participação no capital da empresa, formalmente, é uma operação de crédito, mas as suas características diferem das operações tradicionais no prazo, taxa de juros, garantias e, principalmente, no tempo e metodologia de avaliação.

 

Para começar a sua busca, ao contrário do mercado americano, os bancos brasileiros não trabalham com esse tipo de crédito. Trata-se de uma operação de gestores de recursos especializados e temos vários players no Brasil.

 


Em segundo lugar, ter uma garantia é imprescindível, afinal, o credor não é um investidor anjo, é um gestor de recursos que busca retorno sobre o seu capital e de seus clientes com risco controlado. As garantias preferencialmente são: imóveis e recebíveis.


Vamos às diferenças em relação aos empréstimos bancários:


a) Avaliação e prazo para concessão: os gestores de recursos têm equipes especializadas para Venture Debt. Esse trabalho envolve a avaliação da viabilidade do negócio, a utilização dos recursos e a qualidade das garantias. É uma operação muito mais rápida do que um investimento em participação societária e mais especializada se comparada ao modelo adotado pelos bancos (baseada em cadastros e scores de crédito);

b) Prazo e Carência: a quantidade de parcelas e o período entre o recebimento dos recursos e o início dos pagamentos tendem a ser menores e atrelados à evolução do negócio;


c:) Taxas de Juros: As taxas de juros tendem a ser menores do que as praticadas pelos bancos, pois podem ser aplicadas variáveis de acordo com o desenvolvimento do negócio;


Para negócios que não geram receita e precisam de recursos para entrar em operação, desde que um dos sócios tenha um imóvel para oferecer como garantia, o Venture Debt é uma excelente oportunidade para viabilizar o desenvolvimento do negócio. Se ainda é difícil convencer um investidor de capital, mas você está convencido do sucesso do seu negócio, faz sentido oferecer um dos seus ativos como garantia.


Startups com receita podem utilizar o Venture Debt dando como garantia os seus recebíveis e adiar a captação de investidor para um momento futuro com melhor valuation. Essa operação pode evitar o sacrifício de uma parcela de relevante de equity na primeira rodada de investimento ou até entre rodadas de investimento.

 

Mais uma vez venho provocar os empreendedores! Você está preparado para o investimento? Sua empresa está no radar dos investidores?

 

Compartilhar:

WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Facebook

Mais artigos

SPRINT 034 – NETWORKING E INOVAÇÃO: IMPRESSÕES DO WEB SUMMIT RIO

Foram 3 dias de muitos encontros. Entre eles, @Gabriel Pereira, líder do maior canal do mercado financeiro, o @Let’s Media. Se você acompanha meu conteúdo, também precisa acompanhar o conteúdo produzido por esse ex-produtor de sistemas, um verdadeiro influencer do mercado financeiro.

RESOLUÇÃO DO BANCO CENTRAL: COMO PROMOVER E MONITORAR A SAÚDE FINANCEIRA UTILIZANDO A CIÊNCIA COMPORTAMENTAL E ELEMENTOS DE JOGOS

Em julho deste ano entra em vigor a resolução do Banco Central que determina que as instituições financeiras devem promover ações de educação financeira para os clientes.
Segundo o Banco Central, deve ser incentivado o planejamento e o orçamento pessoal e familiar, uma reserva de emergência sólida e o pagamento de contas em dia, evitando a
inadimplência.

Idioma »