O QUE FAZER DENTRO DE CASA?

O grande dilema entre desenvolver dentro de casa ou contratar no mercado.

 

Eu mesmo já tive que lidar com esse dilema no passado, e digo de cara, não há caminho certo ou errado, existe o que é melhor para você e sua atuação naquele momento, levando em consideração a visão de médio e longo prazo, o que está cada vez mais dinâmico.

 

Existe uma trilha a ser seguida, não se entra em um estádio de futebol pelo campo, primeiro é preciso comprar o ticket, ir até ele, entrar, procurar o assento e por aí vai. Assim são os processos de definição e iniciação, principalmente com digitalização envolvida, pré-requisito, hoje, para todos os segmentos. É possível e necessário em alguns casos a presença de algo físico, com circulação de público e afins, mas a presença online só demonstra dia a dia o quanto potencializa os negócios.

 

O medo na contratação de provedores terceiros é uma das barreiras a serem quebradas, é necessário levar em consideração que hoje as relações são colaborativas e cada um tem seu espaço ao sol, se especializando em frentes que muitas vezes não merecem dispêndio de energia, por se desconhecer se vai dar certo ou ao menos se está mirando na direção correta.

 

O tempo que se ganha e a vantagem competitiva que se obtém ao terceirizas de forma assertiva valem muito mais que o simples ego do dizer “eu desenvolvi dentro de casa” e por isso ficar para trás, batendo cabeça, havendo ainda o prejuízo financeiro.

 

Desastres assim acontecem porque muitos ainda têm dificuldade de perceber, na prática, a vantagem que se tem com as ferramentas, plataformas, informações e por aí vai, só percebendo isso tudo quando as perdas aparecem. Mas aí quase sempre é tarde, já se perdeu não apenas o crédito, mas o próprio cliente, que hoje sequer vaticina em dar preferência a outro player do mercado, capaz de atendê-lo melhor em outro canal, ou seja, demonstrando ser um competidor com a mente mais aberta e disposto a investir.

 

Admiro players de mercado que estão abertos ao novo, a experimentar o que há no mercado, entendendo que aquilo pode gerar valor para sua relação com clientes, reduzindo o riscode crédito e melhorando a experiência em geral.

 

E mais, aqueles que juntam mais de uma solução, ainda mais nos dias de hoje, quando existe muita coisa possível de se usar em sua própria marca, o provedor nem aparece (“White label”), e com algumas soluções ainda é possível personalização, ao ponto de integrar tudo que se possui, e ter um fluxo fluído para se administrar e para o cliente na ponta também.

 

Entre o segmento tradicional, sendo ele financeiro, ou outro, e o segmento de desenvolvimento de tecnologia existe um grande espaço, e a maturidade e experiência, assim como em qualquer setor, demora para se tornar expert, para se ter as famosas 10.000 horas, por isso, essa é uma forma de se comprar tempo, oportunidade e sair na frente.

 

Um movimento interessante nesta direção é o híbrido, iniciando-se com terceiros especializados e, aos poucos, ir criando a expertise em casa, criando do seu jeito, mas para isso, irá muitas vezes tirar o foco do seu negócio principal e então é preciso colocar na balança, se essa energia irá ser compensada do outro lado, ou o terceiro continuará sendo o melhor caminho.

 

>>>Este texto foi originalmente publicado no Portal de Notícias INFOCREDI360, confira aqui. 

 

 

Compartilhar:

WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Facebook

Mais artigos

ESTAMOS A CAMINHO DA ERA DA CRIPTOECONOMIA?

Que a tecnologia impactou o mercado financeiro, não é novidade. Desde 1990, com o surgimento e rápido crescimento da internet, o mercado financeiro passou por grandes mudanças, desde o surgimento de novos produtos, até novas formas de se relacionar com o cliente e novos modelos de negócios.

PRIVACY BY DESIGN NAS STARTUPS

O conceito de “privacidade desde a concepção” tornou-se mais proeminente nos últimos anos, à medida que o Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD) aumentou as preocupações das empresas sobre questões de privacidade nos seus processos, especialmente em relação à oferta de produtos e serviços ao mercado. A metodologia visa incorporar a privacidade em práticas, tecnologias e sistemas, e ainda serve como diretriz para a criação de novos produtos e serviços.

A IMPORTANCIA DO FOMENTO AO EMPREENDEDORISMO FEMININO

É impossível falar de empreendedorismo feminino sem entender a motivação por trás de quem empreende, se a ideia empreendedora veio por oportunidade ou necessidade. Por exemplo, um empreendedor que tem a oportunidade de abrir um negócio estando em uma situação “confortável” seja por investimento interno ou recursos próprios.

Idioma »