Medos do founder: como se proteger dos pensamentos que limitam o crescimento

O tema de hoje é bastante comum, pouco difundido, pouco tratado e pouco acreditado, mas muito ruim e no longo prazo gera prejuízos, perda de oportunidades e limitação do crescimento. Quem já fundou uma empresa ou startup (vamos falar aqui da primeira empresa, já que, normalmente fundadores de segunda viagem já possuem calos e são menos suscetíveis a erros) vai entender, mesmo nunca tendo pensado no assunto: você já evitou aquele movimento que poderia colocar seu negócio em outro patamar, porque ele envolvia riscos e que gerava insegurança?

 

Pois bem, isso é bastante comum entre nós fundadores e acontece de tempos em tempos, não existe uma métrica para medir a periodicidade, mas chuto que deve acontecer de 6 em 6 meses, a última vez que me encontrei nessa situação foi exatamente 6 meses atrás, a decisão era vender ou não a empresa. Eu vendi.

 

Vou explicar bem o que acontece, mas antes, preciso deixar mais claro para quem está lendo o texto e, ainda, não é um founder e nunca viveu na pele o que estou falando. Assista o filme The Founder (Fome de Poder aqui no Brasil), esse filme conta a história de Ray Kroc e os irmãos McDonalds são os personagens principais, você deve assistir para entender profundamente, mas vou resumir aqui: Ray Kroc não fundou o Mcdonalds mas foi ele quem escalou o negócio e criou o que conhecemos hoje. Esse processo não foi amigável para os irmãos McDonalds, já que, na visão de algumas pessoas, Ray Kroc tomou o McDonalds dos irmãos, eu não enxergo dessa forma mas não discorrerei sobre aqui.

 

O que aconteceu naquela época é o tema deste artigo: medo do crescimento e da perda de controle, os irmãos McDonalds tiveram a oportunidade de escalar o negócio mas tiveram medo de que o negócio saísse do controle e se limitaram a uma única loja (muito boa por sinal) em San Bernardino, Califórnia.

 

Existe uma pressão natural no ser humano, ele tem que dar certo, dar errado não é uma opção e qualquer indício de que algo vai fracassar já é motivo para armar as defesas, e uma das nossas defesas, a mais perigosa, é não atacar. Desde criança ouvimos: não mexa com quem está quieto, time que está ganhando não se mexe, melhor uma andorinha na mão do que duas voando, se contente com o que tem, ninguém sabe o dia de amanhã e etc… Agora traga essa pressão natural para um ambiente onde está o seu trabalho, sua vida, da sua família, seu sustento, seu futuro, seu sonho, sua aposta, o lugar que você acredita que dará certo e que nem todos acreditam igual, imagina esse lugar ruindo, imagine a vergonha, a frustração e o prejuízo, seus parentes ou amigos falando que te avisaram para não iniciar aquilo. Isso faz com que você tome as decisões de forma mais cuidadosa possível ou nem tome, tais que poderiam te mudar de nível e te dar até mais segurança.

 

Preciso apenas fazer uma ressalva aqui: não compactuo com a loucura nem com tiro cego, não estou dizendo para arriscar tudo a qualquer custo, na tentativa de crescer ou se tornar mais lucrativo, sou a favor do estudo, do planejamento e dos cálculos, para mim risco e conhecimento são como luz e escuridão, onde tem mais de um tem menos do outro, se você conhece o que vai fazer o risco diminui, se não conhece o risco aumenta.

 

Frente a isso, vamos listar alguns dos medos mais profundos e obscuros do founders:

 

1. Não vender o suficiente, não conseguir clientes: esse é de longe o maior medo, o founder cria a empresa no intuito de resolver um problema da sociedade e espera vender a sua solução, quando não consegue vender como pensava, o caos se instala na mente. O problema aumenta quando a empresa se vê em um ano ruim de vendas, mesmo tendo performado bem em anos anteriores, o founder começa a se questionar e tenta entender a razão da baixa nas vendas, ele também começa a tecer soluções e estratégias para melhorar o ano, já imaginando que o próximo ano seja igual ou pior e o negócio possa vir a falência.

 

2. Concorrência desenvolver um produto melhor e mais barato: esse é o objetivo de toda sociedade e de todo founder, produzir produtos mais baratos e melhores, mas esse tema preocupa!  Se o produto é inferior e mais caro, os clientes tendem a consumir do concorrente e isso leva a queda nas vendas, levando o founder ao problema #1.

 

3. Aumentar preço e perder a clientela: precificação é bastante estratégico para uma empresa, principalmente aquelas que vendem produtos físicos com produção própria, precificação incorreta pode comprometer o negócio. Muitas vezes, para ganhar market share, o founder sacrifica a margem e joga o preço lá embaixo, imaginando que quando quiser basta reajustar os preços, no primeiro aumento de preços ele se depara com quedas nas vendas, algo natural, mas novamente, voltamos para o problema #1

 

4. Processos judiciais: trabalhista, cível ou fiscal: Eles virão, não há como escapar, em algum momento alguém ficará puto com o founder! Mas até que venha o primeiro processo, o medo é enorme e tudo que o founder faz na empresa é pensando de forma estratégica, a fim de evitar um processo.

 

5. Fiscalização: De todos os tipos, tributária, sanitária, ambiental e etc… Os founders que procuram se manter na linha se atentam a todas as obrigações, porém o medo da fiscalização bater à porta e a companhia não estar em ordem é algo comum na cabeça do founder.

 

6. Quebrar: Como disse lá em cima, ao fundar uma empresa o founder coloca a vida nela, quebrar é morrer e morrer não é algo bom para se pensar, a vergonha de falhar em algo que você dedicou sua vida não é um pensamento fácil de lidar.

 

7. Ter ou não ter sócios?: no começo o founder não enxerga o valor de um bom sócio, porém ter um sócio é um pensamento comum. Os medos mais comuns quando se pensa em sócio são: e se o sócio sacanear? E se desviar dinheiro? E se fizer esquemas e maracutaias? Como lidar com as brigas e encheções de saco?

 

8. Como vender mais?: Produto bom, equipe boa, preço bom, custo controlado. O que deve ser feito para vender mais? Não é exatamente um medo e sim uma preocupação, mas é extremamente comum e ronda a cabeça do founder todos os dias praticamente todo momento que ele olha para o setor comercial.

 

9. Crescimento YoY abaixo do esperado: Ligação direta com o item 1 e 2 dessa lista, vendas caindo tem um significado, muitas vezes não claro, descobrir o que, exige tempo e estudos, enquanto isso todas as opções parecem verdadeiras e a possibilidade das vendas diminuírem até a falência fica cada vez mais real na cabeça.

 

10. Crescer para cima ou crescer para baixo?: crescer para cima todo mundo entende, é quase um pleonasmo, mas o que é crescer para baixo? É estranho pensar assim, não é simples chegar até esse pensamento e o founder que chega nele já está de alguma forma cansado de tentar “Crescer para cima” ou é bastante visionário, quando ele descobre que ele pode aumentar preço, diminuir a clientela, diminuir a operação, diminuir o custo e mesmo assim manter o faturamento e aumentar a receita líquida, isso é crescer “Cresce para Baixo”.

 

Todos os pensamentos acima acontecem quase que simultaneamente e muitos deles nem se tornarão realidade, mas eles existem e geram medo, o medo leva a defesa, a defesa leva a tomar menos riscos e tomar menos riscos, em um ambiente competitivo, significa o fim do crescimento ou o começo da queda. Com medo, o founder evita demitir aquele funcionário antigo que parece ser “O cara” da empresa mas no fundo parou de performar a muito tempo, com medo o founder evita aproveitar uma oportunidade de financiamento, com medo o founder deixa de contratar mais funcionários, com medo o founder evita fazer uma proposta de fusão para um concorrente, com medo o founder projeta um crescimento pífio para o próximo ano, a fim de evitar grandes mudanças no que já está funcionando bem, com medo o founder não tira férias achando que tudo vai ruir sem a presença dele, com medo o founder não treina os funcionários para eles não saírem e usar o conhecimento na concorrência, com medo o founder não abre filiais, com medo o founder não arrisca, com medo o founder não cresce.

 

Essa é minha contribuição para todos que já passaram por esse problema que mencionei aqui, eu já passei e provavelmente passarei de novo em alguma outra etapa da minha vida e também para todos que ainda não passaram, espero que auxilie vocês nessa caminhada que é fundar uma empresa e levá-la ao sucesso.

 

Para finalizar, quero deixar duas frases sensacionais do inesquecível Rocky Balboa, o insuperável personagem do ator Sylvester Stallone:

 

“O medo é como o fogo, ele queima você por dentro. Se você controlá-lo Tommy, vai queimar você. Mas se ele o controlar, vai queimar você e tudo ao seu redor”

 

“O seu maior adversário é você mesmo! Acredito nisso no ringue, e acredito nisso na vida.”

Compartilhar:

WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Facebook

Mais artigos

ESTAMOS A CAMINHO DA ERA DA CRIPTOECONOMIA?

Que a tecnologia impactou o mercado financeiro, não é novidade. Desde 1990, com o surgimento e rápido crescimento da internet, o mercado financeiro passou por grandes mudanças, desde o surgimento de novos produtos, até novas formas de se relacionar com o cliente e novos modelos de negócios.

PRIVACY BY DESIGN NAS STARTUPS

O conceito de “privacidade desde a concepção” tornou-se mais proeminente nos últimos anos, à medida que o Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD) aumentou as preocupações das empresas sobre questões de privacidade nos seus processos, especialmente em relação à oferta de produtos e serviços ao mercado. A metodologia visa incorporar a privacidade em práticas, tecnologias e sistemas, e ainda serve como diretriz para a criação de novos produtos e serviços.

A IMPORTANCIA DO FOMENTO AO EMPREENDEDORISMO FEMININO

É impossível falar de empreendedorismo feminino sem entender a motivação por trás de quem empreende, se a ideia empreendedora veio por oportunidade ou necessidade. Por exemplo, um empreendedor que tem a oportunidade de abrir um negócio estando em uma situação “confortável” seja por investimento interno ou recursos próprios.

Idioma »