M&A PARA STARTUPS: FUNDIR, ADQUIRIR OU VENDER?

Como pensar o negócio que você está criando.

 

Esse é, sem dúvida, um tema muito interessante, mas que poucos empreendedores pensam a respeito quando da abertura de suas empresas e, não por outra razão, foi esse o tema que escolhi falar na minha mentoria para as startups participantes do 3º Edital de Aceleração de Novas Ideias realizado pela Startlaw, com o patrocínio da Kadmotek, para mostrar que M&A também se aplica para o segmento de startups e, se feito de forma correta pode acelerar, e muito, o crescimento de sua empresa em muitos anos.

 

Bom, para começar é importante dizer que M&A ou Mergers & Acquisitions, em tradução literal “Fusões e Aquisições”, representa operações societárias e é muito usado por empresas como estratégia de crescimento, desde expansão da marca ou territórios, ou ainda para atrair novos clientes e talentos ou se preparar para um IPO. O M&A nada mais é que o processo de compra, venda ou fusão de uma empresa. A fusão ocorre quando duas empresas se unem para formar uma nova organização, já a aquisição ocorre quando uma empresa compra outro empreendimento.

 

Existem alguns tipos de M&A e a escolha do mais adequado vai depender, basicamente, do tipo de negócio fechado entre as empresas e o segmento de cada uma. Veja:

 

• Horizontal: são aqueles realizados entre empresas do mesmo segmento ou que comercializam o mesmo produto ou serviço. Aqui as duas se fundem ou uma adquire a outra.

 

• Vertical: quando as empresas participam da mesma cadeia de produção, por exemplo, um cliente e o fornecedor.

 

• Conglomerado: nesse caso, empresas de diferentes mercados e setores realizam operações de M&A.

 

• Complementar: é realizado entre empresas que comercializam produtos ou serviços complementares.

 

• Extensão: aqui é feito por empresas que possuem o mesmo produto, mas público final diferente.

 

Assim como qualquer outro negócio, um fator de extrema importância, além da escolha do negócio, é a avaliação criteriosa que deve ser feita e aqui chamamos de Due Diligence ou diligência prévia, que nada mais é que uma investigação criteriosa e profunda do negócio, das suas condições, riscos e oportunidades. Todo esse processo consiste em análises e auditorias com a finalidade de apurar se a empresa está com suas principais obrigações em dias. Nessa investigação comumente são avaliadas as viabilidades: jurídicas, técnicas, trabalhistas, contábeis e fiscais, tudo isso com o objetivo de proteger a compradora de possíveis riscos, passivos existentes entre outros.

Obviamente que alguns outros critérios também são essenciais nesse processo de M&A, como por exemplo, analisar o potencial de crescimento da empresa, a estrutura organizacional, entender se a cultura da empresa é compatível, pois para o sucesso e solidez de um M&A é crucial a compatibilidade de visão dos sócios e acionistas e a coerência entre as atividades das empresas.

 

 

Comprar, vender ou fundir?

 

Se você busca alguma forma de alavancar o crescimento de sua empresa, mas ainda não pensou em nenhuma dessas possibilidades, sugiro que não perca mais tempo, pois empresas e empreendedores compatíveis com o segmento do seu negócio podem estar em busca de um M&A. Esse pode ser o seu momento. Não perca a chance de avaliar uma boa oportunidade e quem sabe investir no M&A.

Mas, assim como toda operação requer cautela e avaliação, no M&A não é diferente. É preciso ponderar os prós e contras existentes e, uma dica muito importante capaz de mitigar os contras está na elaboração de um bom M&A seguindo estratégias inteligentes, avaliando de forma criteriosa a empresa como um todo (parte jurídica, financeira, contábil e fiscal, trabalhista, técnica), além de sua governança, cultura, segmento e coerência das atividades. Uma estratégia mal elaborada e executada colocará em risco toda a operação, seja ela qual for.

 

 

Estratégias para um bom M&A

 

Contrário ao que muitos empreendedores pensam, o M&A deve ser pensado desde a fundação da empresa, e como já dito, um M&A bem-feito acelera o crescimento em muitos anos. E para o sucesso de um M&A, alguns passos são relevantes.

 

• Analisar e definir o TAM (Total Available Market ou Mercado Total) ou demanda total do mercado por um produto ou serviço; SAM (Serviceable Available Market ou Mercado Endereçável) representa o que sua empresa realmente tem potencial para atingir nos próximos anos e o SOM (Serviceable Obtainable Market ou Mercado Acessível) é aquilo que você pode conquistar, ou seja, uma previsão realista de aquisição;

 

• Definir de forma clara o objetivo e a estratégia da empresa;

 

• Abordar possíveis candidatos;

 

• Assinar MOU (Memorando de Entendimento) e iniciar a Due Diligence;

 

• Assinar closing;

 

E por fim, é chegada a hora de integrar a adquirida.

 

Todo processo de M&A precisa ser muito bem planejado e estruturado e não se deve encurtar caminhos e ir direto para o final buscando resultados de forma rápida. É de extrema importância começar o processo do início e percorrer todas as suas etapas, fazendo pesquisas, análises, apurações, investigações e tudo mais que julgar necessário.

 

E aí, você já pensou em comprar, vender ou fundir? Siga essas dicas e tenha sucesso no seu M&A?

 

PRÓS
CONTRAS

• Aumentar Market Share

 

• Aumentar Linha de Produtos

 

• Melhorar a Gestão e Governança

 

• Compartilhar Estruturas e Diminuir Custos

 

• Acesso a Talentos

 

• Acesso a Novos Mercados

 

• Expansão de Territórios

 

• Benefícios Fiscais

 

• Tempo de Integração de Times

 

• Pode Ocorrer Perda de Talentos

 

• Conflito de Culturas

 

• Arrependimento dos Founders Adquiridos

 

• Problemas Jurídicos Não Calculados

 

• Mudança de Hábitos do Cliente

 

• Estratégia de M&A Mal Elaborada e Executada

 

 

 

Estratégias para um bom M&A

Contrário ao que muitos empreendedores pensam, o M&A deve ser pensado desde a fundação da empresa, e como já dito, um M&A bem-feito acelera o crescimento em muitos anos. E para o sucesso de um M&A, alguns passos são relevantes.

 

• Analisar e definir o TAM (Total Available Market ou Mercado Total) ou demanda total do mercado por um produto ou serviço; SAM (Serviceable Available Market ou Mercado Endereçável) representa o que sua empresa realmente tem potencial para atingir nos próximos anos e o SOM (Serviceable Obtainable Market ou Mercado Acessível) é aquilo que você pode conquistar, ou seja, uma previsão realista de aquisição;

 

• Definir de forma clara o objetivo e a estratégia da empresa;

 

• Abordar possíveis candidatos;

 

• Assinar MOU (Memorando de Entendimento) e iniciar a Due Diligence;

 

• Assinar closing;

 

E por fim, é chegada a hora de integrar a adquirida.

 

Todo processo de M&A precisa ser muito bem planejado e estruturado e não se deve encurtar caminhos e ir direto para o final buscando resultados de forma rápida. É de extrema importância começar o processo do início e percorrer todas as suas etapas, fazendo pesquisas, análises, apurações, investigações e tudo mais que julgar necessário.

 

E aí, você já pensou em comprar, vender ou fundir? Siga essas dicas e tenha sucesso no seu M&A?

Compartilhar:

WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Facebook

Mais artigos

SPRINT 034 – NETWORKING E INOVAÇÃO: IMPRESSÕES DO WEB SUMMIT RIO

Foram 3 dias de muitos encontros. Entre eles, @Gabriel Pereira, líder do maior canal do mercado financeiro, o @Let’s Media. Se você acompanha meu conteúdo, também precisa acompanhar o conteúdo produzido por esse ex-produtor de sistemas, um verdadeiro influencer do mercado financeiro.

RESOLUÇÃO DO BANCO CENTRAL: COMO PROMOVER E MONITORAR A SAÚDE FINANCEIRA UTILIZANDO A CIÊNCIA COMPORTAMENTAL E ELEMENTOS DE JOGOS

Em julho deste ano entra em vigor a resolução do Banco Central que determina que as instituições financeiras devem promover ações de educação financeira para os clientes.
Segundo o Banco Central, deve ser incentivado o planejamento e o orçamento pessoal e familiar, uma reserva de emergência sólida e o pagamento de contas em dia, evitando a
inadimplência.

Idioma »