Liderança e competitividade: como lidar com as glórias e derrotas

Liderança e competitividade: como lidar com as glórias e derrotas

 

O mundo dos negócios obrigatoriamente gera competitividade através das melhores práticas com os melhores e mais preparados profissionais. Isto é fato.

 

A tão esperada e criticada Olimpíada Tóquio 2020 terminou, postergada em um ano pelo triste evento da pandemia mundial. Sem dúvida, assistir aos jogos sem público ficará marcado para a história do esporte.

 

Mesmo não admitindo publicamente, acredito que cada um dos corações brasileiros torceu fervorosamente para os nossos atletas nas diversas competições, por mais que toda a situação deflagrada de escândalos no país tenha interferido de certo modo em nosso sentimento patriótico.

 

Neste sentido, tenho a convicção de que grande parte das pessoas experimentou aquela sensação gostosa de alegria e competitividade que o esporte gera em nossas vidas, acompanhando-nos desde a infância.

 

Um dos principais fundamentos que aprendemos desde o ensino fundamental é que o esporte transcende a competição, onde ganhar ou perder, possibilidade binária inevitável, deve acontecer com ética e profundo respeito com o adversário.

 

Para corroborar com a ideia, Barão de Coubertin, francês idealizador das Olimpíadas da Era Moderna iniciadas em 1896 em Atenas, mesmo local das primeiras Olimpíadas da história da civilização, citou uma frase durante as competições que repercutiu de forma grandiosa: “Não pode haver jogo sem fair play. O principal objetivo da vida não é a vitória, mas a luta”. O fair play (jogo limpo), virou futuramente uma campanha divulgada pela FIFA (Federação Internacional de Futebol) no final dos anos de 1970 com a entrega de um troféu à equipe menos faltosa nas Copas do Mundo, sendo a filosofia utilizada até hoje como base do esporte em geral.

 

Trazendo estas reflexões para o mundo corporativo, a visão é um pouco diferente: aprendemos desde a fase de estagiários ou trainees de empresa que devemos sempre buscar a excelência durante a carreira, nos preparando alucinadamente para termos destaque e visibilidade num cenário totalmente competitivo, porém, não fomos preparados para perder, como também, muitas vezes não queremos o bem de nosso concorrente ou adversário, corroborando com a ideia de que o conceito de ética ainda se encontra distorcido em nossa sociedade.

 

Quando cito perder, é no sentido de que muitos profissionais literalmente acabam com a sua saúde e da relação familiar por conta de sucessivos resultados insatisfatórios ou decepções, e com isto, o cenário negativo parece impedir muitas vezes a reação necessária que devemos ter diante das adversidades da vida.

 

Para o profissional do esporte, faz parte da sua rotina conviver com a derrota, e por não se abater facilmente por isto, por ter sido criado neste ambiente, ele busca a superação com muito mais foco e entusiasmo, e quando se torna vencedor, mesmo que ainda muitos anos depois e com inúmeras marcas e dores pelo corpo, comemora com grande euforia, confraternizando inclusive com os derrotados.

 

Fazendo um paralelo destas realidades distintas, mergulhar no contexto do esporte pode ajudar o líder a encarar com mais perseverança os momentos difíceis que todo profissional está sujeito a passar na sua carreira e também na sua vida pessoal, onde as palavras paciência, entusiasmo, garra e determinação devem fazer parte, obrigatoriamente, da sua preparação e evolução.

 

Por fim, se reinventar, que é a palavra atual de ordem, pode surgir por meio de inspiração no esporte. Pense nisto!

 

Abraços e até a próxima!

 

 

Compartilhar:

WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Facebook

Mais artigos

SUPERANDO DESAFIOS: A JORNADA DAS STARTUPS EM ESTÁGIO INICIAL

No panorama global atual, pequenos empreendedores que lançam startups de tecnologia estão se deparando com um terreno cada vez mais complexo e desafiador. Tais desafios começam com a captação de recursos, um processo que se mostra particularmente difícil em países onde o ecossistema de capital de risco ainda é incipiente.

SXSW: O QUE ROLOU SOBRE WEB 3 E IA

De 8 a 16 de março de 2024, mais de 350 mil pessoas estiveram em Austin, para acompanhar quase 3000 palestrantes, onde foram recebidas pessoas do mundo inteiro, a Sandy Carter trouxe a palestra “A fusão mente-máquina: sete tendências futuras em um mundo pós-inteligência artificial no trabalho”, e Chris Dixon em um bate-papo com Camila Russo, founder, The Deflant, compartilhou a “Construindo a Próxima Era da Internet”.

BLOCKCHAIN E TIDC: A REVOLUÇÃO NO MERCADO DE CAPITAIS

Um exemplo claro dessa tendência é a crescente compreensão do conceito de um Token de Investimento em Direitos Creditórios (TIDC) por aqueles que já trabalhavam com os conhecidos Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC).

Idioma »