INVESTINDO EM STARTUPS

Certamente você já ouviu sobre “investidor anjo”, é um título que as vezes impressiona, mas existe muita coisa por trás disso que precisa ser esclarecida e considerada por qualquer pessoa que pense em ser um investidor anjo.

 

Dentro do universo de investimento em startups, o conceito investidor anjo surgiu com a ideia de uma pessoa física poder aportar dinheiro no sonho e capacidade do outro, daí o você ser um anjo para esse outro, porém muitos embarcaram nessa simplesmente por ter algum dinheiro para investir e conhecer uma pessoa que queria construir uma startup e precisava desse dinheiro, muitos investimentos e empresas não decolaram por conta disso.

 

Para investir em startups, primeiramente precisamos saber que uma startup não é uma empresa criada por um grupo de jovens que vão inventar um aplicativo qualquer e ficarão milionários.

 

Startup é uma empresa inovadora com foco em crescimento acelerado e escala massiva do negócio. Crescimento acelerado, nada mais é do que antecipar futuro, ou seja, seguindo um caminho de crescimento convencional, vamos supor que uma empresa iria atingir 1 milhão de clientes em 10 anos de vida, a ideia é conseguirmos fazer a startup atingir essa meta em 1 ano, então todos planos desenhados para 10 anos (se fosse uma empresa da economia tradicional), precisam ser executados em 1 ano e para isso acontecer são necessárias injeções de dinheiro e mentorias para esse crescimento acelerado acontecer.

 

Ah, então quanto mais dinheiro eu injetar, mais resultado e em menos tempo a empresa terá? De forma alguma, empreender nunca será uma matemática exata. Por isso, o investidor precisa estudar o máximo possível sobre o ecossistema para buscar ser mais assertivo nos seus investimentos, a fim de mitigar seus riscos e aumentar seus retornos.

 

Os investimentos em startups são divididos em estágios, de forma que seja possível medir cada etapa da jornada da empresa, uma espécie de o investidor dá um pouco do capital, a empresa executa o que foi planejado, obtém o resultado planejado, agora o investidor dá mais um pouco de capital e assim a empresa e sua tese vão se provando.

 

Cinco Informações que o investidor obrigatoriamente precisa saber:

 

Antes de embarcar no mundo de investir em startups, saiba:

 

    • É um investimento de altíssimo risco;

 

    • A média de possibilidade do retorno do capital investido é de 7 anos;

 

    • Você não terá dividendos no período;

 

    • Você precisa investir em ao menos 10 negócios para ter alguma chance de retorno do capital investido;

 

 

 

Auto análise do investidor

 

Antes de entrarmos nos pontos mais técnicos, se você pretende ser um investidor de startups penso que esses são alguns requisitos obrigatórios para ir bem:

 

    • Gostar de gente;

 

    • Amar fazer mentorias;

 

    • Disponibilizar tempo para se relacionar;

 

 

    • Não ser ansioso;

 

    • Ser acessível aos empreendedores;

 

  • Pensar em estratégia e conexões para as startups.

 

Qual estágio de investimento a Startup está?

 

De forma resumida, temos os seguintes estágios de investimento:

 

Estágio

Média do Valor Aportado

Média de Diluição (Equity para o investidor)

Média do Valuation da Startup

Aceleradoras

R$ 200.000,00

10%

R$ 2 Milhões

Anjos

R$ 300.000,00

10%

R$ 3 Milhões

Pré Seed

R$ 500.000,00

8%

R$ 6,25 Milhões

Seed

R$ 3.000.000,00

15%

R$ 20 Milhões

Série A

R$ 10.000.000,00

20%

R$ 50 Milhões

Série B

R$ 30.000.000,00

30%

R$ 100 Milhões

 

Começando analisar a startup?

 

Apenas uma boa ideia não é o suficiente para uma startup merecer seu olhar, uma boa ideia só tem valor que ela for seguida de ações que a coloquem em prática, cuidado para não se encantar com essa tal “grande ideia).

 

Sempre se pergunte, porque eles estão precisando de mim? De fato, conseguirei agregar ao negócio, ou será apenas aporte financeiro?

 

Também tome cuidado em não se apaixonar pelo negócio do empreendedor, o apaixonado costuma deixar diversos sinais de atenção para trás.

 

Foque sempre em olho no olho com os empreendedores, além de entender o projeto deles, entenda a história deles, o que os move de verdade. Assim como tome cuidado com aqueles empreendedores com pitch decorado, fala difícil, que parece saber de tudo e adora um holofote, recomendo fugir desses.

 

Jamais deixe de saber esses 7 pontos:

 

    • Qual a dor que a startup resolve?

 

    • Essa dor realmente existe na sociedade e/ou empresas?

 

    • Essa dor é de muita gente (muito mesmo)?

 

    • Existem concorrentes? Quem são?

 

    • Quais são os diferenciais e inovações envolvidas?

 

    • Qual estágio e os resultados até agora?

 

    • Time, quem são os empreendedores, qual histórico deles?

 

  • Está claro quanto dinheiro precisam, onde investirão e em até quanto tempo?

 

Tese de investimento

 

Recomendo fortemente que todo investidor crie sua tese, nela você precisa considerar pontos que combinem com seus objetivos, com seu apetite ao risco e que mesmo sendo uma operação de grande risco, você durma tranquilo e goste dessa jornada.

 

A tese não pode ser fixa e imexível, ela tem que ser uma aliada, que te sirva de filtro para muitas ofertas e supostas oportunidades de investimento.

 

O investidor que deixa claro para o mercado qual é sua tese, tem uma vida mais tranquila, pois as startups que não se enquadram nessa tese, não ficam assediando o investidor.

 

Check List dos pontos que você precisa responder para formar sua tese de investimentos:

    • Qual valor total que você pretende usar para os investimentos;

 

    • Qual o aporte médio que pretende fazer (fará você saber em torno de quantas startups você irá investir);

 

    • Em até quanto tempo você quer realizar esses aportes;

 

    • Qual perfil dos empreendedores e negócios que te atraem;

 

    • Em qual estágio de investimento quer entrar;

 

    • Tempo mínimo de vida da startup;

 

    • Segmento de mercado;

 

    • Pretende que as startups do seu portfólio tenham sinergia entre elas;

 

    • B2C / B2B / B2B2C;

 

  • Aceita investir via co-investimento.

 

Evite esses erros na formação da sua tese:

    • Investir em negócios que você não tenha nenhum conhecimento;

 

    • Investir valor acima da sua segurança patrimonial;

 

    • Não estar preparado para os imprevistos e prejuízos, eles certamente acontecerão;

 

    • Esperar retornos extraordinários em curto espaço de tempo;

 

    • Não acompanhar frequentemente os indicadores e resultados dos seus investimentos;

 

    • Não comparar com outros investimentos;

 

  • Não diversificar sua carteira de investimento.

 

Como em tudo na vida, é preciso encontrar o equilíbrio, mas para chegar nisso é necessário estudarmos para dominarmos as coisas que nos propomos fazer. Então, se você quer se tornar um investidor anjo busque se aprofundar cada vez mais no estudo e conhecimento do ecossistema de startups, pratique as dicas de check list aqui propostas que tenho certeza que suas chances de assertividade nos investimentos serão grandes.

 

Compartilhar:

WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Facebook

Mais artigos

ESTAMOS A CAMINHO DA ERA DA CRIPTOECONOMIA?

Que a tecnologia impactou o mercado financeiro, não é novidade. Desde 1990, com o surgimento e rápido crescimento da internet, o mercado financeiro passou por grandes mudanças, desde o surgimento de novos produtos, até novas formas de se relacionar com o cliente e novos modelos de negócios.

PRIVACY BY DESIGN NAS STARTUPS

O conceito de “privacidade desde a concepção” tornou-se mais proeminente nos últimos anos, à medida que o Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD) aumentou as preocupações das empresas sobre questões de privacidade nos seus processos, especialmente em relação à oferta de produtos e serviços ao mercado. A metodologia visa incorporar a privacidade em práticas, tecnologias e sistemas, e ainda serve como diretriz para a criação de novos produtos e serviços.

A IMPORTANCIA DO FOMENTO AO EMPREENDEDORISMO FEMININO

É impossível falar de empreendedorismo feminino sem entender a motivação por trás de quem empreende, se a ideia empreendedora veio por oportunidade ou necessidade. Por exemplo, um empreendedor que tem a oportunidade de abrir um negócio estando em uma situação “confortável” seja por investimento interno ou recursos próprios.

Idioma »