CORPORATE VENTURE CAPITAL NO BRASIL

A elevação global dos juros, com destaque à SELIC no Brasil, alterou o apetite dos investidores ao risco e, mais uma vez desafia a resiliência e criatividade dos empreendedores.

 

É parcela considerável do mercado prefere a segurança da renda fixa ao risco das bolsas, das criptomoedas e dos starups, mas é inegável que momentos de crise também apresentam desafios e oportunidades únicos.

 

O Brasil, país com uma das 15 maiores economias do mundo, apesar dos pesares, com grande população e território continental, é um ambiente favorável à inovação e por que não dizer, dependente da inovação. Essas características favorecem o CVC – CORPORATE VENTURE CAPITAL, que nada mais é do que o investimento feito por grandes corporações em startups, normalmente realizado em setores que complementam seus negócios.

 

Sim, existe capital de investimento que não é seduzido, nem pode, pelas altas taxas de juros no Brasil.

 

 

Recente estudo preparado por Andre Fernandes e Andre Bolonhini, da BAIN & COMPANY, publicado em abril/2022, apresenta números animadores do CVC no Brasil:

 

61 CVCs ativos

13 CVCs em processo de criação

19% de crescimento de deals com participação de CVCs entre 2015 e 2021 (USA 12%)

 

 

Além disso, o estudo indicou os setores do CVCs brasileiros:

 

12 Serviços financeiros

10 Varejo e bens de consumo

6 Tecnologia

6 Saúde

6 Mobilidade

 

 

Vale destacar, ainda, os valiosos benefícios trazidos pelos CVCs para os investidores que servem como orientação às startups:

 

1. Tornar realidade a estratégia corporativa: a agilidade e inovação das startups ajudam as atividades core e desenvolvem novas verticais de negócio

 

2. Reforçar iniciativas de inovação: o convívio com startups ajuda a desenvolver a cultura de inovação

 

3. Co investimento: as estruturas de CVC, normalmente, trazem mais de um investidor

 

4. Necessidade de rapidez na tomada de decisões: o processo de due diligence dos CVCs é muito rápido e demanda decisões rápidas

 

 

Nas últimas semanas, para alegrar os empreendedores, investidores e fundos de venture capital, três empresas anunciaram o lançamento de seus respectivos CVCs, veja quanto investirão, em quantas empresas, percentual desejado e ticket:

 

VIVO           R$ 320 milhões | 12 a 20 investidas | 20% de equity | ticket R$ 15 milhões

 

ANIMA       R$ 150 milhões | ticket R$ 1 a 5 milhões

 

RENNER    R$ 155 milhões | 10 investidas | 10 a 20% de equity | ticket R$ 10 milhões

 

 

Confira algumas declarações, aos jornalistas Maria Luiza Filqueiras, Manuela Tecchio e Luiz Henrique Mendes, do Pipeline | Startups | Valor, em matérias publicadas nos dias 11/04/2022, 23/05/2022 e 24/05/2022, dos executivos que lideram os CVCs nessas empresas:

 

“Um atrativo para as investidas, além do capital, é o acesso ao ecossistema da Vivo” Christian Gebara, CEO da Vivo, a gigante de telecom tem mais de 100 milhões acessos na base, 1,7 mil pontos de venda e 20 milhões de usuários únicos no app, com média de 80 milhões de interações mensais.

 

“O desafio das startups hoje é essencialmente ter dinheiro, gestão, cliente e um core diferenciado. O problema é que, muitas vezes, encontramos empresas preocupadas em resolver problemas ultrapassados, que vão ficar obsoletos, porque o mercado está se transformando”, diz Daniel Castanho, sócio-fundador e presidente do conselho da Ânima. “Estamos em busca de quem está preocupado em entender o futuro”.

 

“O momento não poderia ser mais mais oportuno para investir. Depois de uma retração durante a pandemia, vimos algo desenfreado, valuations absurdos e agora deu uma baixada nessa euforia. Tem oportunidades muito grandes para uma companhia madura como a Ânima, que conhece seu mercado”, disse Reynaldo Gama, o CEO da HSM e da SingularityU Brazil, que será o responsável interno pelo fundo.

 

“Já fizemos mais 10 reuniões com os fundos para trocar experiências e acertar reuniões mensais de dealflow. Muita coisa passa pelas mãos de um VC parceiro nosso e, muitas vezes, a startup não está na tese dele, mas pode fazer sentido para mim”, conta Marie Timoner, que está na Renner há um ano e meio.

 

O Brasil tem, simultaneamente, muitos desafios, muitas oportunidades, muitos investidores e muitos empreendedores. Vamos prestar mais atenção à parte cheia do copo!

 

 

Compartilhar:

WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Facebook

Mais artigos

OS CICLOS DO CRÉDITO

O desafio começa logo na primeira análise, primeiro ciclo que pensamos em sua maior parte, fazer em um período maior, a sua renovação, manutenção ou alteração. A abertura de limite, um processo geralmente mais minucioso e por isso, o pensamento de ter uma manutenção menor, uma vez que grande parte, ou parte dos players do mercado, realiza várias buscas e análises manuais.

SUPERANDO DESAFIOS: A JORNADA DAS STARTUPS EM ESTÁGIO INICIAL

No panorama global atual, pequenos empreendedores que lançam startups de tecnologia estão se deparando com um terreno cada vez mais complexo e desafiador. Tais desafios começam com a captação de recursos, um processo que se mostra particularmente difícil em países onde o ecossistema de capital de risco ainda é incipiente.

SXSW: O QUE ROLOU SOBRE WEB 3 E IA

De 8 a 16 de março de 2024, mais de 350 mil pessoas estiveram em Austin, para acompanhar quase 3000 palestrantes, onde foram recebidas pessoas do mundo inteiro, a Sandy Carter trouxe a palestra “A fusão mente-máquina: sete tendências futuras em um mundo pós-inteligência artificial no trabalho”, e Chris Dixon em um bate-papo com Camila Russo, founder, The Deflant, compartilhou a “Construindo a Próxima Era da Internet”.

Idioma »